Babies, Gestação, Mommy to be

Síndrome de abstinência neonatal

Recentemente assisti uma matéria sobre a síndrome de abstinência neonatal, em um telejornal, que me deixou aterrorizada. A matéria trazia recém nascidos norte-americanos que estavam nascendo e necessitando de UTI’s neonatais, por conta de remédios opioides, a base de ópio, para o tratamento da dor, que as mães consumiram na gestação.

No caso dos bebês da matéria, as mães eram dependentes químicas de remédios para amenizar dores, mas é importante dizer que até mesmo o álcool ou até mesmo o cigarro, podem ocasionar a síndrome de abstinência neonatal.

Mas o que é a Síndrome de Abstinência Neonatal?

A síndrome de abstinência neonatal (SAN) engloba um grupo de problemas de saúde que um bebê pode apresentar quando a mãe utiliza drogas e álcool durante a gestação. Praticamente tudo o que ela ingere passa para a criança por meio da placenta; nesse caso, os entorpecentes podem gerar dependência no feto.

 

Sintomas da Síndrome de Abstinência Neonatal

Os sintomas mais comuns no bebê são:

  • irritabilidade extrema;
  • hipersensibilidade;
  • tremores;
  • alteração do padrão do sono.

Eles surgem geralmente entre o primeiro e o terceiro dia de vida, quando se inicia a SAN.

Prejuízos à saúde

Em relação à ingestão de bebidas alcoólicas, quando acontece até a oitava semana da gravidez, o feto pode desenvolver alterações faciais e malformações em outros órgãos, como coração e rins, no entanto, o principal órgão atingido é o sistema nervoso central.

Inclusive já há estudos associando o déficit de atenção, a hiperatividade e o autismo à utilização de bebidas alcoólicas e drogas pelas mães na gestação. Fato é que o dano cerebral é generalizado e podem surgir algumas anormalidades à medida que a criança cresce.

A cocaína, por exemplo, tem potencial de ocasionar restrição do crescimento fetal, interferindo na diminuição do peso de nascimento. Já no caso da maconha, alterações no sistema nervoso do feto e distúrbios neurocomportamentais.

Diagnóstico

A síndrome de abstinência neonatal pode ser diagnosticada intrautero, quando a mãe se encontra em desintoxicação.

Na ultrassonografia, verifica-se aumento da movimentação fetal, alterações cardíacas e sinais de comprometimento da oxigenação fetal. Após o nascimento, confirma-se o quadro com exame clínico do recém-nascido; lembrando que as alterações neurológicas podem ser visualizadas com os exames de imagem.

No decorrer da vida do indivíduo, a doença pode se manifestar por alterações comportamentais, dificuldades de aprendizado, de linguagem e de socialização, assim como retardo mental e toxicodependência.

Em relação, especificamente, ao álcool, os sinais variam desde a presença de sopros até casos graves de insuficiência cardíaca; se o rim for atingido, pode acarretar em infecções urinárias e chegar à insuficiência renal aguda. O comprometimento neurológico é sempre o mais grave.

Quanto ao consumo de cigarro, estudos comprovaram que o fumo diminui o peso fetal em até 200g, além da possibilidade de sofrer com afecções e patologias respiratórias, como asma, bronquite e rinite alérgica.

Então, se você está grávida ou pensando em engravidar, pare agora mesmo de utilizar qualquer substância que pode ocasionar a síndrome de abstinência neonatal no seu bebê.