Reflexões de Mãe

O filho mais velho sofre

O filho mais velho sofre. Sofre, porque a mãe é inexperiente, quando ele nasce. Sofre, porque ele acaba sendo uma espécie de experimento para os pais, que até então nunca na vida tinham trocado fraldas, dado banho num ser tão pequeninho, e todas as outras novidades que chegam quando um bebê nasce.

O filho mais velho tem uma carga mais pesada. Não falo isso apenas pensando no meu filho mais velho, mas em mim mesma, que sou a filha mais velha de 3 filhos. A expectativa em cima do mais velho é inevitável. Foi assim comigo e também é com o Dudu.

Óbvio que podemos – na verdade, devemos – minimizar o “sofrimento” de ser filho mais velho. Como?

  • Não criar tantas expectativas

Por exemplo, quando o Dudu era um simples bebezico eu já imaginava como seria quando ele andasse, quando ele falasse. E teve um momento que me marcou muito – e tem reflexos até hoje – quando ele começou a introdução alimentar, eu me matava para fazer as papinhas mais gostosas e saudáveis para ele.

Ele não aceitava, chorava e eu me sentia péssima, afinal, como meu filho poderia recusar a comidinha gostosa da mamãe? Pois é. Claro que ele poderia, afinal, até então só tinha o peito e de repente vem novos sabores, novas texturas.

Naquela época eu não entendia isso. Me culpava, insistia demais com ele e não respeitava o fato de que aquela novidade não era aceita de forma imediata.

Quando foi a introdução alimentar dos outros dois, as coisas foram tão naturais, justamente, porque eu deixei-os à vontade para aceitarem as novidades ou não.

Hoje vejo que isso se reflete na alimentação deles. Dudu é super seletivo, não aceita legumes e verduras. Os outros dois, comem de tudo, sem que eu precise forçar ou esconder de alguma forma na preparação das refeições, como faço com o meu mais velho.

  • Não exigir que ele ajude com “todo o resto da casa”

Eu já escrevi sobre isso aqui, mas, vez e sempre, escuto do Dudu “por que tudo sou eu?”, “por que todas as tarefas você só pede para mim?”.

Quando isso acontece, me policio e aí chamo outro filho para fazer, mostrando assim que todos podem ajudar, não apenas ele por ser o mais velho.

Sabe aquela coisa automática de sempre pedir para o filho mais velho? Pois é, precisamos nos reeducar para acabar com esse hábito, assim conseguimos amenizar a carga do filho mais velho.

  • Lembrar que temos outros filhos antes de solicitar algo ao mais velho

Aqui vale ressaltar: quando temos mais de um filho, não podemos esquecer dos outros é só lembrar do mais velho, quando formos solicitar o que quer que seja.

Eles sentem. Alguns fazem sem reclamar, outros – como o meu mais filho mais velho – já reclama, briga e emburra mesmo. Afinal é a forma que ele tem para me alertar que “opa! Calma aí! Tem mais dois filhos, por que só pedir pra mim?”.

Uma coisa que tem me ajudado bastante é sempre pensar antes de pedir algo para eles. Me lembro de para qual deles pedi a última vez, aí peço pro outro que ainda não tinha feito algo solicitado por mim.

Isso é um hábito que estou me obrigando a adotar. Assim não fico só no “Dudu, faz isso”, “Dudu, faz aquilo”.

  • Lembrar de dar carinho, colo, amor para o filho mais velho

Nao sei como funciona aí, mas aqui em casa, eu tenho uma tendência enorme de “deixar de lado” os maiores para me acabar de amar o mais novo. Sabe aquela coisa do bebê fofo, gostoso, que ainda não precisamos educar, apenas curtir os meses mais gostosos de vida? Pois é, eu me perco totalmente, e aí acabo esquecendo dos outros, que por aqui, ainda são tão pequenos e necessitam de toda afetividade do mundo.

Tá, rolou um certo exagero no parágrafo anterior, mas a verdade é que, ao menos aqui, eu amo a fase bebê e se não me controlar, realmente me envolvo e me perco.

Isso aconteceu muito quando o Arthur (#2) nasceu. Eu deixei o Dudu de lado e quando percebi isso, eu só chorava e me culpava demais. Ainda bem que isso não durou mais do que 5 meses, e eu cai na realidade de que tinha um outro filho e que ele também precisava do meu amor, do meu colo, da minha presença de corpo e alma para ele.

Bebê é uma delicia, mas quando se tem mais de um filho, precisamos nos virar nos 30 para dar amor, colo, carinho para o filho mais velho.