Amamentação

O desmame total do Pedro | Baby Dicas



Chegou a hora de dizer tchau em definitivo para a amamentação. O desmame total do Pedro aconteceu e a minha missão com a amamentação dos meus filhos foi concluída, e posso afirmar sem falso moralismo, que foi com louvor.

O Pedro mamou por 02 anos e 03 dias, dia em que eu decidi que não iria mais amamentá-lo. Primeiro, porque ele estava enlouquecendo quando eu dizia não, em lugares que eu não achava adequado nem necessário para ele; segundo, porque eu já havia feito o desmame diurno dele, que foi bem tranquilo, então, eu já tinha noção de como seria o noturno.

Como fazer o desmame total?

Agora a grande pergunta, que tenho certeza que você está se fazendo, como você fez o desmame total do Pedro?

Se você ainda não leu sobre o desmame noturno dele, é interessante que leia antes de continuar a leitura aqui, porque lá explico a base principal para o desmame.

Preciso ser muito sincera com você, quando decidimos desmamar por nossa conta, já não é uma coisa natural, afinal, é uma decisão da mãe de não mais oferecer o peito para o seu filho. O que é uma coisa, digamos, natural, porque se não está fazendo para a mãe, na minha opinião, já não se deve mais continuar. Se não dá prazer, por que fazer?

E quando decidimos não mais amamentar, precisamos estar muito certas dessa decisão, não podemos voltar atrás. Primeiro, porque a criança vai perceber que se chorar, espernear, sempre vai conseguir o que deseja dessa maneira; segundo, porque você não passará segurança para o seu pequeno.

Como pode um dia dá o peito, no outro resolve não dar mais, mas 3 dias depois volta a dar? Bagunça tudo, não é mesmo?

Então o que funcionou aqui com o Arthur e com o Pedro, foi a minha decisão de não mais dar o peito para eles, mas para não traumatizá-los nem para ser algo abrupto e definitivo, eu o fiz em etapas. Com o Arthur, primeiro desmamei durante o dia, já com o Pedro, primeiro fiz o desmame noturno.

Saiba como fazer o desmame sem traumas em apenas 05 passos

Não sei explicar o porquê, mas é uma coisa que vai muito de instinto materno, sabe? O que funciona para um filho, pode não funcionar para o outro, e aí você percebe como fazer da melhor forma para todos.

Se você está decidida a não mais amamentar, mantenha-se firme nessa decisão. Isso é primordial para que o desmame seja feito!

Um outro ponto, se a criança já é maiorzinha, converse e explique para ela, que a partir dali não terá mais “popô” (assim que os meus filhos falavam – o Pedro ainda fala, quando quer mamar0, que não tem necessidade disso, porque a criança cresceu, já come tudo e o peito da mamãe não precisa mais.

Há quem condene, mas aqui funcionou, dizer que o peito estava dodói. Não coloquei nada para parecer sangue, mas já me vali, sim, do artifício de dizer que o peito estava machucado.

É importante ir esvaziando as mamas, para que não encha demais, e depois você sofra. Isso é o que eu tenho feito. Há quem prefira tomar algum tipo de medicação, prescrita por médico, para que os seios sequem de uma vez.

A partir do momento que o peito não é mais estimulado, a produção do leite vai diminuindo até chegar a zero.

Minhas considerações pessoais sobre a amamentação

Amamentar é a melhor coisa do mundo, mas até chegar na melhor coisa do mundo, tem um caminho longo. Onde encontramos sangue, rachaduras, fissuras e muito cansaço.

Eu amamentei os meus três filhos por muito tempo. O Pedro foi o que passou dos dois anos, e foi uma opção minha, porque sabia que era meu último filho a ser alimentado pelo meu próprio leite, então quis aproveitar o máximo que consegui.

Mas para se amamentar, é preciso ter uma rede de apoio, nem que para isso você vá até um banco de leite. Se você não tiver esse apoio, é quase certo se desistir da amamentação.

Aqui eu me sinto na obrigação de agradecer, sobretudo, ao Dr. Guaraci Beleza, o meu primeiro obstetra, que eu amo de paixão. Sem ele e a sua equipe, eu teria desistido de amamentar o meu primeiro filho e nem iria tentar nos seguintes.

Também agradeço demais ao meu marido, que mesmo quando estivemos separados, sempre me ajudou demais a amamentar os meninos. Fosse com uma palavra de força, fosse no momento de colocar para arrotar (como são intermináveis os minutos, principalmente nos 3 primeiros meses de vida do bebê).

Também agradeço a todos os textos sobre as dificuldades e maravilhas da amamentação que li, mesmo antes do meu primeiro filho nascer.

Mas agradeço, sobretudo, a Deus, porque me permitiu amamentar todos os meus filhos!

Nossa, foram praticamente 6 anos e 6 meses amamentando, e me sinto muito feliz em ter conseguido! E posso te falar uma coisa? Se eu consegui, você também consegue.

Minhas considerações pessoais sobre o desmame

O desmame para mim foi uma fase tranquila, porque eu mesma decidi que era a hora de parar.  Mas, confesso que ao escrever este texto, as lágrimas escorrem pelos meus olhos, afinal, não mais irei amamentar nesta vida.

Dói, porque é algo que eu amo fazer, mas o Pedro não mais precisa do meu peito nem eu queria mais amamentar.

Como é engraçada a maternidade, né? Sempre vivemos dualidades, mas ao final, tudo dá certo.

Mas se meu conselho valer para você, te digo, decidiu parar de amamentar? Não volte mais atrás! Esteja certa de que é realmente isso que você quer.



  • Danielly Corade Marques

    Amei seu texto e me auxiliou muito. Meu pequeno está com 1 ano e 9 meses. E ainda não me sinto preparada para o desmame mesmo ele não se alimentando muito bem.
    Porém a pressão da família está ficando super chata. O tempo todo tenho que ficar ouvindo, “quando ele sair do peito irá comer melhor”, mas meu coração ainda não está preparado para o demame, pois era algo que eu queria muito e me sinto vitoriosa por chegar até onde chegamos.