Comportamento, Dicas, Kids

O desfralde (total!) por aqui



Vocês não imaginam a minha felicidade ao escrever o título deste post. Sim, Dudu está “desfraldado”. Meu bebêzão cresceu e as fraldas (e a saga na busca!) XXG acabaram por aqui (por enquanto, né, afinal, já, já é Arthur quem estará neste tamanho de fralda).

Como foi que consegui essa vitória? Alguns fatores e circunstâncias ajudaram demais, dentre elas, a ajuda das professoras e cuidadoras da escola dele, que foram de fundamental importância para que o desfralde por aqui tenha sido um sucesso (depois de muitoooo tempo na luta sozinha!). A primeira dica que dou, sentiu que é a hora de retirar as fraldas, converse com a professora da escola ou creche. Como eles ficam um bom período por lá, essa ajuda é mais do que necessária. (eu nunca havia parado para pensar nessa ajuda, até que um dia conversando com a Tathy, ela me deu o toque, “procure a professora dele e diga que, em casa, ele já não está mais usando fraldas, ainda que fizesse xixi em qualquer lugar).

Depois da conversa com a professora, passei a mandá-lo de cueca para a escola, mas sempre mandava (e ainda mando) umas 3 a 4 mudas de roupas extras. Sim, no início, ele sempre usava todas as roupas, além do uniforme. Além disso, nesse “período de adaptação” eu o mandava de crocs ou havaianas, por orientação da própria professora. Por que? Simples, com o xixi fora de lugar, os tênis ficam encharcados de xixi.

Então, durante todo o dia, ele já ficava de cueca. E à noite? Não! Eu ainda hesitei por um período, porque não queria que ele se sentisse pressionado (não, a verdade, eu não queria acordar no meio da noite para trocar lençóis da cama dele em plena madrugada). Até que um dia, simplesmente, esqueci que as fraldas haviam acabado, o marido não ia vir para casa tão cedo, e resolvi arriscar: seja o que Deus quiser! Para minha surpresa, a primeira noite foi um sucesso. Nada de xixi na cama! Já na segunda, terceira, e por aí vai, o xixi veio e, claro, ele acordou e foi para minha cama. Aí saí correndo para comprar protetores de colchão. 

Então lembrei da dica que a pediatra havia dado, antes de eu (ou o pai) dormir, pegasse ele e o levasse para fazer xixi (o último que fosse para cama tinha a missão de levá-lo ao banheiro). Aí, sim, o desfralde noturno passou a ser um sucesso.

Uma atitude que tomei por mim mesma foi não dar líquidos, à noite, para ele. Ele chega da escola, lancha, toma suco e água. Depois disso, só no outro dia. Às vezes, ele acorda de madrugada e pede água (principalmente nas noites mais quentes por aqui), aí dou a garrafinha dele, que ele deixa do lado na cama. Nas vezes em que isso acontece, nunca ocorreu dele fazer xixi na cama.

Quando voltava da escola, eu sempre o elogiava por estar grande e não usar mais fraldas. Mas ainda tínhamos um problema: na hora do número “2” ele não dava conta de usar o pinico ou redutor sanitário e, então, passou a pedir por fraldas quando sentia que estava na hora. Isso ainda acontece de vez em quando e aí é preciso mais um pouquinho de paciência. Segundo orientação da pediatra dele, este momento realmente requer muita paciência, já que qualquer cobrança, pode se transformar em prisões de ventre e acabar causando um trauma (desnecessário!) na criança.

E por aí? O desfralde já aconteceu? Tem dicas para compartilhar com quem também está passando por essa fase complicada?