Kids, Psicologia

Maus Comportamentos – a origem pode ser a relação entre mãe e filho

Será que os comportamentos que tanto incomodam mães e pais podem ser interpretados como uma luta por poder? Você acredita em pirraça? E na hipótese de que seu filho está manipulando você? Quer deixar claro quem manda?


O mau comportamento do filho pode ser culpa dos pais

Estas são inúmeras questões que ouço todos os dias. Algumas são fáceis de responder, outras nem tanto. Cada relação é única, mesmo quando se é mãe de dois ou três, as respostas dadas serão exclusivas para cada relação que se desenvolve com cada criança.

Mas ninguém imagina que a resposta mais óbvia é que cada comportamento apresentado pela criança (até mesmo o mais extremo) está a serviço de sua própria necessidade de crescimento. Entender melhor quais são as motivações desse comportamento me parece fundamental.

A sua interpretação de cada situação guiará os comportamentos que você virá a ter. O cérebro da criança está em constante evolução, passa por fases de desenvolvimento e para cada um desses períodos, ele se reorganiza. Por isso existem sintomas de regressões, desorganização e angústia.

O mau comportamento tem muitas causas. Tensões excessivas, sobrecarga de estímulo, tédio ou simples necessidade fisiológica.

Uma sugestão é adotar uma postura educativa, procurar refletir antes de agir, e não apenas agir por impulso. Não se decepcione, porque não existem receitas.

Existem sempre várias formas de analisar um problema e, portanto, várias situações. Desconfie daqueles que gostam de dar lições e que acreditam que há uma única resposta para um conflito.

Você mesmo pode estar na origem do mau comportamento que sua criança apresenta e que você tanto reprova.

A partir do momento em que você entender o que está acontecendo entre vocês, as coisas vão ficar mais claras.

Perceba se na maioria das vezes você não é a responsável por muitos dos comportamentos de oposição.

A criança reage como todo ser humano a uma imposição, a uma ordem. Ela sente a mesma emoção que o adulto. A diferença é que ela ainda está em desenvolvimento, aprendendo a lidar com tudo isso.

Ao modificar seu comportamento em relação ao seu filho, você pode obter aquilo que tanto deseja. Além de identificar a fonte das dificuldades, você pode melhorar sua relação com ele.

Cada mãe e pai devem observar, sentir e experimentar as situações de modo particular.

O que funciona na casa da amiga pode não funcionar na sua casa. Isso acontece porque os conflitos familiares passam a ser naturais, de tão habituados que estão.

Educar um filho é criar uma relação com ele, e ter uma boa relação deve ser sua prioridade.

Uma relação ruim gera diversos sintomas, que vão da agressividade aos maus resultados escolares. Já uma boa relação possibilita enfrentar as dificuldades e superar juntos os obstáculos.

Nenhuma relação é igual a outra, porque ela se insere sempre entre duas pessoas diferentes e em um ambiente específico. Cabe, portanto, a cada mãe e pai a tarefa de criar sua própria relação com seu filho.

Priorizar o relacionamento não significa buscar o amor da criança dando-lhe tudo. A necessidade fundamental de toda criança é se sentir amada.

Psicóloga em Brasília- DF