Babies, Kids, Psicologia

A importância do brincar



Uma dúvida muito frequente tem sido sobre como desenvolver melhor as potencialidades das crianças, o que fazer para estimulá-las.Não existe fórmula mágica, na realidade a resposta é bem simples: deixe-a brincar!

Não vai ser sentada em frente à TV ou do tablet durante horas, ou jogando vídeo game o dia inteiro que elas irão desenvolver todas as suas potencialidades. Brincar é coisa séria!

É crucial para o crescimento social, emocional, físico e cognitivo. É uma das maneiras que a criança tem para aprender sobre assuntos variados e sobre o mundo em que vive. O principal objetivo da brincadeira é explorar, experimentar, conhecer, testar.

“Pela brincadeira, deve-se introduzir nas crianças valores fundamentais para a vida futura, como honestidade, companheirismo, lealdade, responsabilidade, persistência e competitividade construtiva”, observa o pediatra Fábio Picchi.

Quantas vezes ouvimos: “Como será a sensação de colocar a mão nisso aqui? Será que faz barulho se eu apertar? O que acontece se eu puxar isso? E se eu for até lá? E se eu me segurar para ficar de pé?”. As crianças têm uma incrível capacidade de aprendizagem e muita curiosidade por entender o que ocorre a sua volta. O cérebro delas está em desenvolvimento e absorve os estímulos ao seu redor com muita facilidade. Devemos aproveitar a capacidade natural da criança em querer aprender para estimulá-la.

O tipo de brincadeira vai depender da fase de desenvolvimento da criança. Já que o brincar é a ferramenta que ela usa para entender o mundo, a melhor pista para encontrar a brincadeira ideal será a atividade que ela está se esforçando em aprender naquele momento.
Primeiramente, crie um espaço de brincar, onde possa ter bagunça e que ela possa ter fácil acesso aos brinquedos. Não esqueça que deve ser seguro, livre de armadilhas e perigos. Aqui você “adulto” entrará para brincar e não para dar ordens.

Ofereça brinquedos de raciocínio (quebra cabeças e peças de montar), livros, folhas em branco, lápis de colorir, música, brinquedos lúdicos (bonequinhos, carrinhos, mobiliários, bichinhos). Para as mais velhas, podem ser introduzidos jogos de competição e de regras.
Escolha àqueles que afloram a imaginação, que são coloridos e irão manter a atração por mais tempo. Os mais interessantes são os que podem ter diferentes finalidades a cada dia.

Não se esqueça das brincadeiras ao ar livre, em contato com a natureza, animais, água, terra, sob o sol, onde as crianças possam se movimentar, correr e pular.
Por exemplo, se você tem um bebê de 3 meses que está aprendendo a segurar objetos, dê a ele brinquedos leves e macios. Se, com 1 ano, ele estiver curioso sobre o fenômeno de causa e efeito, brinque de esconde-esconde debaixo de mesas e cadeiras.

Brincar é se envolver em uma atividade divertida que envolva pessoas, objetos ou movimento e não precisa necessariamente de um brinquedo.

Que o próximo final de semana por aí seja cheio de brincadeiras!!!

Psicóloga Mariana Silvia Pinto