Babies, Comportamento, Geral, Gestação, Kids, Mommies & Goodies, Mommy to be, Psicologia

Como nasce um PAI nos dias atuais?

Um texto de pura reflexão da querida Juliana Benevides sobre o papel de pai nos dias atuais! Sensacional e nos serve para muita reflexão, principalmente neste Dia dos Pais!

Vamos à leitura?!?

Beijos,

Bárbara

image

Como nasce um “PAI” nos dias atuais?
Essa deveria ser uma das perguntas feita para os que exercitam essa função em suas vidas, não é?

Como realmente nasce um pai? Já parou para se perguntar sobre isso? Ele desconhece seus dias férteis, não engravida, não tem uma revolução hormonal no seu corpo. Ele, teoricamente, é nomeado pai quando é avisado que está sendo gerado um bebê na barriga da sua companheira. E, ainda assim, parece tão distante o significado do que é realmente ser pai.

Ao longo da gestação, ele efetivamente pode não experienciar muitas mudanças: ver o resultado do exame de gravidez milhões de vezes e não enxergar o “positivo”, mas quando entende se assusta e comemora, um choro emocionado ao ouvir os batimentos cardíacos, olhar uma imagem de ultrassom e achar engraçada e bela ao mesmo tempo estranha e difícil de compreender.

Quando o bebê nasce surge um completo sentimento de impotência, desamparo, confusão, despreparo, medo, insegurança que ligeiramente invadem sua forte capa protetora.

Com o passar dos meses, um sorriso na madrugada é um alento, “ aquele bebê está finalmente me reconhecendo”. Ou melhor seria: Estou sendo pai, meu filho está aqui comigo, estou participando da vida dele, sinto que ele é, para mim, uma pessoa importante.

Essa construção é lenta e processual. Não se transforma a partir de uma troca de olhares e um beijo. Se configura através dos choros, da solidão, da dificuldade, da impossibilidade, do dia à dia, das descobertas, do amparo, das angústias, das renúncias, das presenças e também das ausências, dos limites, do auto-conhecimento ao reconhecimento.

Enfim, o sentido de ser pai é uma realidade subjetiva que é criada a partir da relação para e com o filho. Essa relação tem um longo caminho a ser percorrido e aprendido, tem erros e acertos, mas depende exclusivamente da ação, do pensamento e do sentimento que é co-construído.

Dessa forma, receber o título de “PAI” por mérito e exercício pleno da função faz parte do seu renascimento, do seu novo papel, da oportunidade que você possui de se ressignificar enquanto pessoa, podendo reorganizar os lugares que a sociedade lhe coloca ao enfrentar olhares estranhos quando, por exemplo, num ato de amor, troca os seus filhos no fraldário do shopping ou quando leva o bebê para tomar um sol.

Empoderando-se do seu papel de “PAI” um novo universo de oportunidades secretas se abrirá e, se você topar, vai ser uma história bem vivenciada e difícil de ser esquecida por muitas gerações. Permita-se!

Felizes dias!!!

Juliana Benevides

Psicóloga