Amamentação, Babies, Dicas, Maternidade, Mommies & Goodies

05 passos para fazer o desmame sem traumas



Como fazer o desmame sem traumas. Isso é realmente possível? É, sim, mas não acontece do dia para a noite. É um processo – e aí não tenho como te dizer quanto tempo levará, mas saiba que é, sim, possível retirar o aleitamento materno do bebê e/ou criança sem deixar qualquer trauma para os dois.

É de fundamental importância mencionar que a recomendação básica é que a criança seja alimentada exclusivamente no peito até o sexto mês de vida, quando acontece a introdução dos alimentos sólidos. Além disso, a OMS recomenda o aleitamento materno, pelo menos, até o segundo ano de vida do bebê, se possível.

Por aqui amamentei o Dudu até 1 ano e 8 meses e o Arthur, 1 ano e 7 meses. O Pedro, hoje, está com 1 ano e 5 meses e a possibilidade do desmame dele está sendo cogitada por mim. Por que? Porque estou cansada, porque minha saúde está debilitada, mas ainda assim, estou pensando se farei por agora ou não.

desmame-sem-traumas

Leia também:

Agora os 05 passos fundamentais para que o desmame por aí seja tranquilo, sem deixar qualquer trauma para ele e/ou para você.

  1. TENHA CERTEZA DA SUA DECISÃO DE NÃO QUERER MAIS AMAMENTAR.

    O primeiro passo é ter a certeza da decisão de que não quer mais ou não consegue mais amamentar. Caso seu bebê não demonstre qualquer sinal de quer deixar o peito e você não consegue mais amamentar ou se encontra num cansaço que não te permite fazer qualquer outra atividade com disposição, talvez seja a hora de fazer o desmame. No entanto, essa é uma decisão única e exclusiva sua.

    Se você for adepta à amamentação prolongada, com toda certeza, vai escutar várias opiniões de que isso não é mais necessário, de que a criança já não precisa mais, que é feio, que isso e aquilo. Mas se você se sente à vontade para tanto, ignore todos e tudo o que for dito a respeito. O importante na amamentação prolongada é que seja algo satisfatório para você e para o pequeno.

  2. TENHA AJUDA. PEÇA AJUDA.

    O segundo passo é ter ajuda para os momentos de tensão, que podem vir a acontecer. Muito provavelmente você irá precisar de ajuda na hora de colocar o pequeno para dormir, já que ele está acostumado com aquele momento de ir para a cama e ter o peito. Pedir para o pai colocar para dormir é uma ótima opção. Caso não seja possível, a avó, uma tia ou uma amiga. Na realidade, uma pessoa que ele tenha afeto e sinta segurança.

  3. CONVERSE COM SEU PEQUENO

    O terceiro passo é conversar e explicar para o pequeno que o peito da mamãe já não tem tanto leite. Não tire o peito de uma forma abrupta em hipótese alguma. Isso sim será completamente traumático para o pequeno. Apesar de você achar que não, pode ter certeza de que explicar que o leite da mamãe já não é suficiente para ele, que a mamãe está muito cansada e já não dá mais conta de acordar à noite para amamentá-lo. Converse sempre!

  4. RESPEITE O TEMPO DA CRIANÇA

    O quarto passo é respeitar o tempo da criança. Parece totalmente contraditório com todos os passos acima, né? Mas não é! Se você está decidida a retirar o aleitamento materno, mas o seu filho não dá sinais de que está preparado para tanto, não retire de uma vez. Vá espaçando a quantidade de mamadas ao longo do dia, deixando, por fim, apenas a da hora de colocar para dormir. Com isso, a criança vai percebendo que aqueles momentos estão chegando ao fim e que ela não sentirá tanta falta, afinal, por exemplo, de 5 mamadas ao longo do dia, passar para apenas 01, já dá para sentir que o sofrimento não existirá.

  5. CONVERSE COM O PEDIATRA

    Por fim, o quinto passo, na realidade, poderia ser até colocado como o primeiro, é conversar com o pediatra para saber se a retirada do leite materno, na etapa de vida que o seu filho está, trará algum déficit nutricional. Por exemplo, quando fiz o desmame dos meninos, eles já estavam se alimentando muito bem, então, a falta do leite materno naquele momento já não faria qualquer falta (nutricionalmente falando); além disso, não precisei dar qualquer leite artificial para eles. Portanto essa conversa com o pediatra é indispensável.

Eu ainda não estou preparada para fazer o desmame do Pedro e tive essa certeza ao terminar de escrever esse post. Mas quando acontecer, sem dúvida, todos esses 05 passos para um desmame sem traumas serão praticados.